O Wiki Loves Monuments (WLM) é um concurso fotográfico internacional realizado anualmente em setembro, organizado pelo movimento Wikimedia com foco no patrimônio edificado e monumentos históricos dos países e regiões participantes. A primeira edição do concurso Wiki Loves Monuments ocorreu em 2010 como um projeto piloto nos Países Baixos.

A edição de 2011 foi realizada com a participação de vários países europeus, organizado através de etapas locais, com a competição de fotos internas de mesma nacionalidade e posteriormente uma etapa internacional com a competição entre as 10 melhores fotos submetidas por cada país. Em 2011 o WLM foi considerado pelo Livro Guinness dos Recordes o maior concurso fotográfico do mundo. A edição de 2012, contou com a participação de 35 países de vários continentes e o recorde anterior foi superado com a marca de 353.768 fotos recebidas e mais de 15.000 participantes. Nos anos de 2013 e 2014, o número de participantes aumentou ainda mais, bem como cresceu a quantidade e qualidade de fotos livres disponibilizadas no acervo do Wikimedia Commons.

Em 2015 o Brasil participou pela primeira vez com uma edição nacional, contando com a contribuição de 411 fotógrafos que submeteram 4.443 imagens no Wikimedia Commons, contribuindo com a ilustração de centenas de artigos. Em 2016, a etapa brasileira do concurso contou com 387 fotógrafos- entre os quais 355 são novos usuários do Commons – e 2885 imagens de vários bens tombados do Brasil.

Para a edição de 2016, foi feita uma experiência piloto com voluntários de São Paulo, que colaboraram na revisão de dados da lista de bens do IPHAN e na organização de dados de bens tombados no nível estadual pelo CONDEPHAAT e de alguns bens tombados no nível municipal pelo CONPRESP. Por essa razão, a Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo se envolveu diretamente na divulgação do concurso, colaborando para sua ampla repercussão na mídia. Desse modo, houve um aumento de cerca de 400 monumentos à lista geral do Wiki Loves Monuments, promovendo ainda mais o patrimônio cultural brasileiro e dando mais chances para que bens pouco conhecidos fora de suas localidades sejam acessados por pessoas de qualquer lugar do mundo.